Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Silêncios

Poesia

Silêncios

Poesia

22.09.20

Dentro do meu peito

Silêncios

 

 

Cachoeira do Tabuleiro – Wikipédia, a enciclopédia livre

 

Dentro do meu peito, um ninho.
Um lugar onde te deitas.
Numa cama de dossel.
Paredes feitas de mimo.
Chão atapetado de flores.
Cortinas de suaves cores.
Tecto de favos de mel.

 

Dentro do meu peito,Tu!
E na cabeceira...
Bordado.
Um naperão de pano cru.
Com outro coração matiz
e as pontas em rendilhado.

 

Dentro do meu peito, o mundo!
E todas as Constelações conhecidas.
Nesse espaço decorado.
Cascatas, aves e um lago.
As margens onde me sento...
Admirando deitada, a razão da minha vida.