Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Silêncios

Poesia

Silêncios

Poesia

24.01.21

Nunca fomos um.

Silêncios

 

 

Recomeço - Mensagem de decepção de amor - Coração partido

 

Doces eram os teus lábios, como os olhos teus.
Tornado-me cativa de um amor, que nunca me pertenceu.
Volátil foi o tempo em que talvez fosse paixão, o que nos uniu.
Mas hoje reconheço...
Que não quis ser tua, nem que fosses meu.

 

Lançamo-nos às vezes nos braços de quem se julga amar.
Presos naquele terno enleio do seu abraçar.
Movidos pela labareda do desejo, uma voz sedutora e o  seu  beijar.
Julgamos ser AQUELE amor, algo...
Que nunca teve, pernas para andar.

 

Sofremos porque se desata um nó, que não se ousou dar.
Maldizemos ruas e passeios, que nos fizeram cruzar.
Juramos que não recuperaremos, nem voltaremos a amar.
Para mais tarde compreender que... valeu a pena!
Mas não era ali, que tínhamos de ficar. 

 

Haviam no mundo outros olhos e lábios, que nos esperavam.
Talvez também já sofredores, maldizendo a paisagem.
Porém... quando frente a frente, nada mais importa.
Encontramos o nosso chão, paredes e tecto.
A... pessoa certa!

 

 

4 comentários

Comentar post