Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Silêncios

Poesia

Silêncios

Poesia

Renascer das Cinzas

05.10.20 | Silêncios | comentar
        A minha alma violentada arrastou-se pelo chão. Um rasto fino e incerto de sangue fresco, atrás de mim. Ruim, ver alguém destroçado... Por quem nada se pode  fazer.   Há dores que só o próprio consegue domar. De chicote na (...)

A Sós

04.10.20 | Silêncios | comentários (1)
        Quando o silêncio fala mais alto.Arruma-se sossegadinho o meu coração a um canto.Passeiam-me os olhos saudosos, pelos campos dentro.Os pés acompanham regatos, tão velhos como o Tempo.Sem deixar na erva frondosa, marca de relevo.Alegra-se- (...)

PEQUENA E POBRE

27.09.20 | Silêncios | comentar
      Não tenho nada p'ra dar-te.Nasci pequena, descalça e nua.Pobre, de riquezas terrenas.Nasci...Com um dom apenas.O de alinhavar poemas.Dedicar-tos...Porque sou tua.  Ainda que me não queiras.O que escrevo não te cative.Serás o (...)

Magia

24.09.20 | Silêncios | comentar
    Eu quero viver no fundo dos mares. Nos pináculos mais altos das montanhas geladas. Pulsar entre as estrelas, no céu infinito.  Ser neve. Ser chuva. Vento que assobia. A folhagem que dança. Eu quero viver no tronco das árvores. De (...)

Um Céu virado do avesso

23.09.20 | Silêncios | comentar
      Eu sou as folhas, o vento... Os primeiros pingos de chuva. O céu pintado a cinzento. Que traz os arrepios a pele. E a última neblina do dia.    Sou a montanha ofuscada. Que não deixa de estar lá. As estrelas que se esconderam. P (...)

À minha casa. À minha cama...

16.09.20 | Silêncios | comentar
      Ao mar... Às vagas. Às gaivotas e às suas asas. Ao areal. Ao nevoeiro  matinal. Ao sabor a sal. Intemporal...   A tudo o que fica. Quando eu me for. À minha casa. À minha cama. A ti, amor, hei-de voltar. Como o vaivém (...)

Acinzentada

13.09.20 | Silêncios | comentar
      Há dias em que caminho sobre a névoa do entardecer. Sou também ocaso e bruma. Daí a nada, lua cheia. Um nada, que vagueia. Que  mão humana nenhuma... ao querer alcançar, tacteia.   Sou a estrada prateada desenhada, na (...)