Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Silêncios

Poesia

Silêncios

Poesia

04.09.20

Tempestade

Silêncios

 

 

Zudusī paaudze – EDGARS UNTĀLS. Tavu panākumu partneris

 

Gostava de ter sido uma centelha e não um raio.
De não ter entrado na tua vida,
como uma trovoada seca.

 

Arrasei talvez a sementeira dos teus dias.
Levei de enxurrada os teus planos.
Deixei-te a braços com a devastação por toda a parte.

 

E..
Saí, como entrei.
Pr'a nada.

 

Ou... quem sabe tenhas sido tu a enxurrada,
que me avassalou.
E saiu, mal entrou. 

 

Gostava de termos sido chuva calma,
ao fim do dia.
Termos criado algo, que regássemos e víssemos crescer.

 

Mas... não tinha de ser.
Fomos vendaval e acalmia.
Um amor insano, que como a tempestade... se dissolveria. 

 

 

 

2 comentários

Comentar post